18/02/2017

Pronto, foi só um desabafo

Bem sei que os tempos mudaram, que temos acesso a informação como nunca antes tivemos, que os valores e a ética andam, infelizmente, pela hora da morte e que o mundo que até bem pouco tempo estava a caminhar para o abismo, agora corre em marcha rápida. O cenário não é propriamente o mais interessante porém, continuo a tentar ser como sempre fui e vou tentando viver os meus dias com o melhor toque de optimismo possível.
Há coisas que me deixam triste e outras tocam-me tão profundamente que é mais que tristeza. Ontem quando cheguei a casa e revi as imagens das jovens que agrediram uma outra de 13 anos, chorei sem conseguir conter aquela sensação horrível de impotência. Os gritos de "para, para" que a jovem gritava enquanto levava murros, bofetões e puxões de cabelo deixaram-me devastada.
No meu tempo de escola também havia porrada e não eram só entre rapazes, as raparigas também tinham o seu espaço mental de parvoíce. Naquele tempo não havia telemóveis, redes sociais e nem todas as famílias tinham telefone fixo e mesmo assim estas situações aconteciam. 
Os parvos e as parvas que continuam a julgar ser à base de porrada que conseguem demarcar território como os cães que fazem xixi nos muros ou alcançar respeito à base do medo imposto, são nadinha, nadinha. Mesmo!
Estes e estas jovens sabem que estão a fazer mal e não me venham cá com tretas de que isso, aquilo ou aquilo outro (tangas de especialistas que hoje existem como o ar que respiramos). É que eu não acredito em Pai Natal, ok? Portanto, por mim, podem ir direitinho para o mesmo saco dos homens que batem em mulheres, pessoas que tratam mal os idosos ou pessoas com características de deficiência, pais que se estão a cagar para os filhos e permitem que estes passem por situações de grande angústia, pessoas que maltratam e abandonam os animais, pedófilos, falsos padres, etc...nem vou continuar a lista, acrescentem se assim o entenderem; vão todos para a merda, pode ser? Porque, para além de serem uns fanáticos, são intolerantes e estão a ajudar o mundo que já está carente de pessoas de bem, de valores, de exemplos a seguir, a ser um lugar de medo, de incompreensões, de imposições e de todas estas vossa tretas.
Sim, a dona desse blogue não costuma usar asneiras mas fui euzinha que escrevi, ok? Não fui vitima de blog jacking.

16/12/2016

Postais de Natal [Este foi o da Família Simões]

Tenho uma tradição desde há muito tempo e enquanto tiver saúde irei continuar a mantê-la.
Todos os anos, personalizo os Postais de Natal para oferecer aquelas pessoas que são especiais para mim.
Na verdade, este ano, percebi algo que ainda não tinha realizado ou seja, assim que cada um dos postais está finalizado, coloco-os no envelope e vão directamente para os correios...nunca mais volto a vê-los. Nunca me lembrei de fotografar, um a um, para a posteridade.
Acontece que uma destas pessoas especiais colocou um dos meus postais no facebook e foi com muita emoção que pude perceber que aquele pedaço de papel que tive o cuidado de escolher, aquela decoração que colei estrategicamente e os traços que tive de desenhar (eu sou uma nulidade em desenhos e tive de treinar os traços uma data de vezes, em rascunho, noutro papel) são uma parte do carinho que pretendo transmitir a quem o recebeu. 
O verdadeiro espírito de Natal passa, também, por estas demonstrações de carinho.
Este foi o postal que enviei para a Família Simões. Agradeço a foto, Isabel e ainda bem que gostaram do miminho...foi feito com o coração. 💓

11/12/2016

Personalidade, sabes o que é?

Entre outras virtudes da vida e não só, também é saber tomar decisões acertadas.
Quem quer ser "Maria vai com as outras", agradar aos outros e não a si próprio, vai ser sempre um(a) lambe botas para não usar outra expressão mas clarificadora desta estirpe...fraca, fraquinha.
As decisões certas são sempre as mais complicadas mas, são estas decisões que nos diferenciam e nos fazem pessoas únicas e valentes de personalidade.

17/11/2016

A negação da perda

No dia em que eu soube que a minha avó tinha sido internada de urgência pensei que tudo ia correr bem. Em nenhum momento tive pensamentos menos positivos sobre a cirurgia ou o pós-operatório. Na minha cabeça, tudo ia correr bem.
Passei a noite numa conversa mental com Deus e os meus pensamentos eram todos de superação.
No dia em que recebi a mensagem, fatídica, de que ela não tinha resistido não queria acreditar. Olhei para todas as fotos que tinha dela e em nenhum momento, durante algumas horas, aquela perda parecia real.
Estranhei a minha "frieza" momentânea e desconhecida porque, sou a emoção em pessoa mas, não demorou muito tempo até eu ter sido assolada por uma tristeza profunda e por um choro que só de recordar, enchem-me os olhos de lágrimas.
Fiquei assim, a chorar, no meu posto de trabalho até à hora de ir embora. Tive de continuar a trabalhar com aquela dor no meu coração, tive de colocar óculos de sol para não assustar ninguém com os meus olhos inchados, tive de atender telefonemas e dar informações com o nariz entupido de tanto chorar...
Naquele dia, tive dois colegas de trabalho que vieram me dar uma palavra de conforto e ao final do dia, fui embora. 
Fui recebida pelo meu marido com o abraço de consolo mais forte que qualquer palavra.
Nesta noite antes de me deitar, tive uma experiência única com um ser voador branco, ao melhor estilo da Theresa Caputo...

21/10/2016

Aeroporto LPPR

Sempre gostei de observar as emoções que as pessoas vivem nos aeroportos sobretudo, nas chegadas. 
Desta vez coube-me viver na 1.ª pessoa uma emoção e um orgulho ímpar. 
Não foi nas chegadas nem nas partidas, foi na porta de embarque. Lá estava eu de pé, junto aquela enorme vidraça, a olhar para onde o nevoeiro me permitia, a tentar adivinhar nas movimentações exteriores o momento certo. Eu sabia que estava para breve e deixei-me ficar naquele lugar até que o momento chegou...

Eu amo Lisboa

14/10/2016

A Estrela que brilha no céu

A Avó foi e será, sempre, um exemplo de mulher!
Tive sorte em ouvir os seus conselhos e da última vez que estivemos juntas pude ouvir palavras tão lindas de carinho que jamais esquecerei. O nosso sorriso nesta fotografia não reflete de todo a cumplicidade que nos uniu.
Para além de avó foi a melhor madrinha do mundo e estou completamente convencida que a sua energia apenas mudou de lugar...está num outro plano.
Um dia eu sei que a avó me vai receber de braços abertos, como sempre o fez.
Eu amo você, Avó. Pela última vez peço, Bença.
Descansa em paz e obrigada por ter conseguido apaziguar um pouco a dor que sinto no meu coração destroçado.

27/09/2016

Kika, temos saudades até ao infinito...




Nunca pensei que escrever sobre ti fosse tão difícil sobretudo, quando só nos trouxeste alegrias e divertimento. Tinhas a capacidade de nos conhecer tão bem, cada um de nós na sua individualidade e sempre soubemos que o teu sentimento para connosco era verdadeiro, puro e sem nenhuma contrapartida. Desde muito cedo demonstraste uma perícia acima da média relativamente às nossas movimentações e rotinas e até ficares doente, em novembro de 2015, eras o animal mais atento e inteligente que podia existir na face da terra. Foram tantas as demonstrações de preocupação que tiveste connosco que é difícil eleger a mais interessante nesta homenagem. Recordo com muita emoção um episódio que se passou num hotel em Bordeaux, quando só te deitaste depois de teres ido verificar que cada um de nós já estávamos deitados e prontos para dormir, inclusive, a necas. Foi, talvez, das atitudes mais extraordinárias que presenciei.  
Sabias distinguir o barulho do motor de cada um dos nossos carros e vinhas ter com cada um de nós, em modo festa, independentemente do nosso estado de humor.
Escolheste o teu dono na primeira noite que foste para a nossa casa e este amor incondicional continuou até ao teu último suspiro. Gostavas indubitavelmente de todos lá em casa mas, todos nós sabíamos que tinhas uma cumplicidade especial pelo teu dono. Trouxeste-nos as maiores alegrias que alguma vez pudéssemos, sequer, imaginar ser possível vivenciar antes de te termos connosco e, não foram só momentos felizes, também trouxeste aventuras como a corrida que deste ao cavalo em São Domingos de Rana ou ao veado que teimaste em perseguir numa intensa incursão pela floresta, junto à nossa casa da Bélgica. Foste uma mãe exímia e nunca te agradeci o suficiente teres permitido a nossa participação activa durante os partos que tiveste. Foste valente mesmo quando no último parto, tiveste à beira da morte e entre um imenso desespero tentámos de tudo para que pudesses recuperar. Quando a médica ditou a sentença de que aquela noite seria crucial para a tua recuperação, chorei por pensar que não te voltaria a ver entre nós. Foste uma sobrevivente e nada me tira da ideia que uma grande parte da tua recuperação deveu-se à força de vontade que tinhas em não nos deixar. Gostavas tanto ou mais de nós, como nós de ti!
Quando a família percebeu, depois de muita negação, que o dia em que não havia mais nada a fazer para diminuir o sofrimento e a dor tinha chegado e que não havia mais nada que pudéssemos recorrer para trazer de volta aquele olhar de felicidade porque, o tempo não volta para trás e ninguém nos ensinou que as decisões mais difíceis são aquelas que transbordam o mais profundo amor e respeito que temos te ter…é difícil, muito difícil.
Espero que tenhas escutado todas as minhas palavras enquanto entravas naquele sono sem regresso e que o meu rosto colado ao teu focinho tenha trazido algum alento pois, não estavas sozinha.
O teu território é agora um espaço vazio e sem nenhuma piada mas, quero acreditar que a tua energia foi alegrar outra dimensão.
Aproveita para brincares com os nossos anjinhos e coloca a conversa em dia com a Necas. 
Vocês fazem parte de nós para todo o sempre!
É nosso desejo que estejas em paz, sem dores e feliz.