18/08/2017

Desafio Familiar

A família tem um novo desafio para cumprir ao longo destes meses que faltam para acabar o ano de 2017. Não é temporário, é para continuar.
Depois de várias insistências e tentativas poucos convincentes, eis que ficou decidido que vamos deixar de comer carne. 
Este processo de mudança de hábitos alimentares onde estamos todos empenhados, neste momento, já foi testado noutras ocasiões mas nunca teve resultados significativos porque eu e uma das minhas filhas estávamos muito relutantes nesta decisão. Tivemos todos uma conversa bastante ponderada e vários argumentos imbatíveis para decidirmos, juntos, avançarmos neste desafio, nesta mudança.
A nossa horta biológica já produzia e continua a produzir, a maior parte dos produtos que utilizo diariamente para as nossas refeições. Neste momento temos de diversificar mais aquilo que vamos semear para termos uma colheita mais variada.
As leguminosas sempre fizeram parte da nossa dieta alimentar e vamos continuar a apostar neste rica fonte de hidratos de carbono e proteína não animal.
Neste momento, ainda tenho no meu congelador alguns produtos de origem animal porém, apesar de não os ter em grandes quantidades, não os vou dar nem deitar fora. Vamos consumi-los com um único critério...serão os últimos!

29/06/2017

DIVÓRCIO - por Arnaldo Jabor

"Meus amigos separados não cansam de perguntar como consegui ficar casado 30 anos com a mesma mulher. As mulheres sempre mais maldosas que os homens, não perguntam a minha esposa como consegue ficar casada com o mesmo homem, mas como ela consegue ficar casada comigo. Os jovens é que fazem as perguntas certas, ou seja, querem conhecer o segredo para manter um casamento por tanto tempo. Ninguém ensina isso nas escolas, pelo contrário. Não sou um especialista do ramo, como todos sabem, mas dito isso, minha resposta é mais ou menos a que segue:
Hoje em dia o divórcio é inevitável, não dá para escapar. Ninguém aguenta viver com a mesma pessoa por uma eternidade. Eu, na realidade já estou no meu terceiro casamento - a única diferença é que casei três vezes com a mesma mulher.
Minha esposa, se não me engano está no seu quinto, porque ela pensou em pegar as malas mais vezes do que eu. O segredo do casamento não é a harmonia eterna. Depois dos inevitáveis arranca-rabos, a solução é ponderar, se acalmar e seguir de novo com a mesma mulher.
O segredo no fundo é renovar o casamento e não procurar um casamento novo. Isso exige alguns cuidados e preocupações que são esquecidos no dia-a-dia do casal.
De tempos em tempos, é preciso renovar a relação. De tempos em tempos é preciso voltar a namorar, voltar a cortejar, seduzir e ser seduzido. Há quanto tempo vocês não saem para dançar? Há quanto tempo você não tenta conquistá-la ou conquistá-lo como se o seu par fosse um pretendente em potencial?
Há quanto tempo não fazem uma lua-de-mel sem os filhos eternamente brigando para ter a sua irrestrita atenção?
Sem falar dos inúmeros quilos que se acrescentaram a você depois do casamento. Mulher e marido que se separam perdem 10kg em um único mês, porque vocês não podem conseguir o mesmo?
Faça de conta que você está de caso novo. Se fosse um casamento novo você certamente passaria a frequentar lugares novos e desconhecidos, mudaria de casa ou de apartamento, trocaria o seu guarda-roupa, os discos, o corte de cabelo, a maquiagem. Mas tudo isso pode ser feito sem que você se separe do seu cônjuge.
Vamos ser honestos: ninguém aguenta a mesma mulher ou o mesmo marido por trinta anos com a mesma roupa, o mesmo baton, com os mesmos amigos, com as mesmas piadas. Muitas vezes não é a sua esposa que está ficando chata e mofada, é você, são seus próprios móveis com a mesma desbotada decoração.
Se você se divorciasse, certamente trocaria tudo, que é justamente um dos prazeres da separação. Quem se separa se encanta com a nova vida, a nova casa, um novo bairro, um novo circuito de amigos.
Não é preciso um divórcio litigioso para ter tudo isso. Basta mudar de lugares e interesses e não se deixar acomodar. Isso obviamente custa caro e muitas uniões de esfacelam porque o casal se recusa a pagar esses pequenos custos necessários para renovar um casamento.
Mas se você se separar, sua nova esposa vai querer novos filhos, novos móveis, novas roupas e você ainda terá a pensão dos filhos do casamento anterior.
Não existe essa tal "estabilidade do casamento" nem ela deveria ser almejada. O mundo muda e você também, seu marido, sua esposa, seu bairro e seus amigos.
A melhor estratégia para salvar um casamento não é manter uma "relação estável", mas saber mudar junto. Todo cônjuge precisa evoluir, estudar, aprimorar-se, interessar-se por coisas que jamais teria pensado em fazer no início do casamento. Você faz isso constantemente no trabalho, porque não fazer na própria família?
É o que seus filhos fazem desde que vieram ao mundo. Portanto descubra a nova mulher ou novo homem que vive ao seu lado, em vez de sair por ai tentando descobrir um novo interessante par. Tenho a certeza que seus filhos os respeitarão pela decisão de se manterem juntos e aprenderão a importante lição de como crescer e evoluir unidos apesar das desavenças. Brigas e arranca-rabos sempre ocorrerão: por isso de vez em quando é necessário se casar de novo, mas tente fazê-lo sempre com o mesmo par.
Como vê não existe mágica - existe compromisso, comprometimento e trabalho - é isso que salva casamentos e famílias."
Fonte: citações Arnaldo Jabor

07/06/2017

Pão de Santo António

Aproxima o dia de Santo António, meu protector de sempre. Ontem uma pessoa conhecida ofereceu-me um dos presentes mais significativos que recebi até hoje, o Pão de santo António e 2 santinhos (Santo António e Santa Rita de Cássia).
A tradição diz que deve-se guardar este pão, que está duro, até ao próximo ano porque dá boa sorte. No ano que vem o pão vai estar macio e comestível.

18/02/2017

Pronto, foi só um desabafo

Bem sei que os tempos mudaram, que temos acesso a informação como nunca antes tivemos, que os valores e a ética andam, infelizmente, pela hora da morte e que o mundo que até bem pouco tempo estava a caminhar para o abismo, agora corre em marcha rápida. O cenário não é propriamente o mais interessante porém, continuo a tentar ser como sempre fui e vou tentando viver os meus dias com o melhor toque de optimismo possível.
Há coisas que me deixam triste e outras tocam-me tão profundamente que é mais que tristeza. Ontem quando cheguei a casa e revi as imagens das jovens que agrediram uma outra de 13 anos, chorei sem conseguir conter aquela sensação horrível de impotência. Os gritos de "para, para" que a jovem gritava enquanto levava murros, bofetões e puxões de cabelo deixaram-me devastada.
No meu tempo de escola também havia porrada e não eram só entre rapazes, as raparigas também tinham o seu espaço mental de parvoíce. Naquele tempo não havia telemóveis, redes sociais e nem todas as famílias tinham telefone fixo e mesmo assim estas situações aconteciam. 
Os parvos e as parvas que continuam a julgar ser à base de porrada que conseguem demarcar território como os cães que fazem xixi nos muros ou alcançar respeito à base do medo imposto, são nadinha, nadinha. Mesmo!
Estes e estas jovens sabem que estão a fazer mal e não me venham cá com tretas de que isso, aquilo ou aquilo outro (tangas de especialistas que hoje existem como o ar que respiramos). É que eu não acredito em Pai Natal, ok? Portanto, por mim, podem ir direitinho para o mesmo saco dos homens que batem em mulheres, pessoas que tratam mal os idosos ou pessoas com características de deficiência, pais que se estão a cagar para os filhos e permitem que estes passem por situações de grande angústia, pessoas que maltratam e abandonam os animais, pedófilos, falsos padres, etc...nem vou continuar a lista, acrescentem se assim o entenderem; vão todos para a merda, pode ser? Porque, para além de serem uns fanáticos, são intolerantes e estão a ajudar o mundo que já está carente de pessoas de bem, de valores, de exemplos a seguir, a ser um lugar de medo, de incompreensões, de imposições e de todas estas vossa tretas.
Sim, a dona desse blogue não costuma usar asneiras mas fui euzinha que escrevi, ok? Não fui vitima de blog jacking.